Como escolher o seguro ideal para o seu carro (e para o seu bolso)

O seguro de um carro é um gasto permanente, alto, mas altamente necessário. Geralmente os motoristas que não fazem o seguro se arrependem quando passam por alguma situação delicada com o automóvel e não possuem o dinheiro naquele momento para arcar com as consequências. Ao tirar o carro da garagem, sabemos que estamos sujeitos a situações desagradáveis. Como essas situações são imprevisíveis, o que podemos é proteger o nosso bem, contratando um bom seguro que supra as principais necessidades de segurança que cada carro exige.

O valor do seguro é resultado de um cálculo que leva em conta os serviços de cobertura contratados (colisão, incêndio, roubo, responsabilidade civil e serviços adicionais), o perfil de risco do segurado (baseado em informações pessoais e dados do veículo) e as estatísticas de sinistro da seguradora. Quanto maior o risco, maior o custo do seguro. A partir dessas variáveis, calcula-se a probabilidade de o veículo ser roubado ou de ocorrer um acidente, quanto seria necessário pagar de indenização em caso de algum outro sinistro – que são os danos parciais ou totais – e, finalmente, quanto será cobrado do segurado. É claro que nessa conta entram também o lucro da seguradora, as despesas administrativas e a comissão de corretagem.

Dependendo do perfil do motorista, da sua idade, do modelo do carro e dos locais por onde o veículo circula, os preços podem ser bem salgados. No momento de escolher um seguro, muitos dados e fatores devem ser levados em conta. Por isso, separamos algumas dicas para auxiliar na contratação do seguro de automóvel ideal para você:

1 – É preciso ser sincero na hora de preencher o formulário. Esse é um fator importante, já que o valor do seguro é determinado de acordo com o perfil do cliente. Preencher incorretamente informações pode trazer problemas caso você precise receber o pagamento por algum sinistro, já que as informações dadas por você serão checadas pela seguradora e, se estiverem incorretas, podem justificar um não pagamento. Por isso, muita atenção e sinceridade na hora de responder às perguntas.

 

2 – Garagens ou dispositivos antifurto podem ser sinônimos de economia. Ter uma garagem para estacionar o seu carro é um diferencial na hora de fazer o seu seguro, pois a maioria das seguradoras oferece desconto nesse caso. Além disso, estacionar seu carro em garagem ajuda a conservá-lo.

 

3 – Escolha a cobertura ideal para seu bolso. A abrangência da cobertura do seguro também influencia no preço final, mas é preciso avaliar que itens são realmente necessários. Existem as coberturas completas, as parciais, a de responsabilidade civil facultativa (RCF) e a de acidentes pessoais de passageiros (APP), destinada às despesas médicas dos ocupantes do veículo segurado. Além disso, as seguradoras oferecem uma série de serviços extras, como assistência 24 horas, auxílio em caso de pane seca e elétrica, carro extra para quando o veículo segurado estiver na oficina, traslado e hotel, caso o sinistro ocorra fora da cidade do segurado, e até serviços domésticos, como conserto de aparelhos eletroeletrônicos e chaveiro. Além disso, há os seguros adicionais para acessórios. É claro, tudo tem seu preço. Na hora de escolher, cabe avaliar o que é realmente necessário e o que é dispensável.

 

4 – Compare as seguradoras. Faça isso para que você tenha um leque maior de opções, tanto em relação a serviços quanto a preços. Nesse momento de comparação, o auxílio de uma corretora de seguros pode facilitar muito esse processo, uma vez que corretores são treinados para encontrar o seguro que mais se adéqua ao seu perfil.

 

5 – Não espere ser contatado pelo seu corretor. Muitos corretores fazem a renovação em cima da hora para que a pessoa não tenha tempo de buscar outras opções. O ideal é procurar o corretor duas semanas antes do vencimento, tempo necessário para que o profissional faça uma pesquisa no mercado.

 

6 – Seja um bom motorista. Segurados que não têm registro de sinistro no último ano recebem bônus, ou seja, um desconto na hora da renovação. Quando ocorre um sinistro, o segurado pode perder uma classe de bônus, o que pode reduzir ou excluir esse desconto. Os bônus pertencem ao segurado, ou seja, ele leva o desconto consigo se mudar de seguradora. Evitar multas também é uma boa maneira de tentar reduzir o valor da renovação, já que algumas seguradoras concedem desconto para quem não tem pontos na carteira.

 

7 – Modifique o tipo da franquia de acordo com seus riscos. As companhias de seguros oferecem três modalidades de franquia. A obrigatória, que é a quantia normal, proporcional ao valor do seguro; a facultativa, somada à obrigatória para subir o valor da franquia e, com isso, reduzir o prêmio (valor pago para contratação do seguro); e a reduzida, menor que a obrigatória, mediante um aumento do valor do prêmio. Se a maior preocupação do segurado for roubo, aumentar o valor da franquia pode ser uma boa opção para pagar um prêmio menor, mas a cobertura contra colisões também será reduzida. Atenção: a queda no prêmio varia geralmente entre 10% e 20%. Já para os motoristas que se preocupam mais com colisão do que com roubo, pode ser mais vantajoso optar pela franquia reduzida. Embora aumente o valor do prêmio de 20% a 30%, a franquia mais baixa permitirá que mais eventos estejam cobertos.

 

8- O seguro contratado na concessionária pode ser mais vantajoso em alguns casos. Algumas montadoras, como Mitsubishi, Volkswagen e Honda, oferecem a contratação do seguro diretamente na concessionária no ato da compra. Esses pacotes podem ser ligeiramente mais baratos para alguns modelos específicos, como os que ainda não possuem estatísticas de sinistros no mercado, os esportivos e algumas picapes. Além disso, as montadoras costumam oferecer outros benefícios, como garantia de conserto em uma concessionária da marca, o que para um carro zero é essencial para não haver perda do direito à garantia da peça reparada.

Pesquisar bastante é essencial. Como você pôde ver, existem medidas simples que podem aliviar o bolso. No mais, tome cuidado com algumas economias, pois o barato pode sair caro na hora do sinistro. Afinal, o importante é que o seguro contratado atenda às necessidades básicas do seu carro.