Como viajar pelo mundo gastando pouco

Viajar pelo mundo gastando pouco ou nada. Seria um sonho, não é mesmo? Boas notícias para quem quer pegar estrada rumo a mais de 190 países reconhecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU): é possível! Então, dê uma olhada nas dicas que separamos para você arrumar a mala e realizar esse sonho.

1 – Não planeje demais a viagem. Se a intenção é gastar bem pouco, você vai fazer um mochilão, certo? E esse tipo de viagem pode ter muitos imprevistos. Planeje apenas o necessário para cerca de dois dias. Assim, no caso de você querer ir para outro lugar antes do previsto, não perde dinheiro cancelando reservas e passeios.

2 – Compare preços antes de comprar a passagem. Hoje em dia temos vários aplicativos e sites de comparação de preço à nossa disposição, que ajudam a encontrar o melhor preço das passagens. Se você comprar com antecedência, normalmente consegue preços melhores. E se puder, use milhas, claro.

3 – Pelo Brasil, você pode tentar voar com a Força Aérea Brasileira (FAB). A FAB faz viagens para todo o Brasil e oferece a oportunidade para qualquer cidadão brasileiro viajar em um dos aviões. No entanto, para isso, a pessoa deve se inscrever no Correio Aéreo Nacional e esperar surgir uma vaga na aeronave para o destino que foi pedido.

4 – Sempre opte por viajar por terra, mesmo que algumas companhias aéreas pareçam oferecer passagens baratas. Em viagens de trem ou ônibus, é mais fácil transportar bagagens, as taxas são menores e a localização das estações costuma ser mais central do que de aeroportos, o que diminui gastos com deslocamento. Também tente fazer paradas, ao invés de uma viagem com o mesmo destino inicial e final.

5 – Procure o melhor câmbio. Você pode fazer o câmbio pela moeda local em aeroportos ou rodoviárias, mas normalmente a taxa nesses locais é muito alta. Troque só um pouco, o suficiente para as primeiras horas, e depois procure uma casa de câmbio com uma taxa melhor para economizar.

6 – Fique em hostel. Essa é uma opção bacana de hospedagem – e bem em conta. No Brasil, há muita gente que nunca se hospedou dessa forma e não sabe o que está perdendo! Além de o preço ser menor do que o de hotéis, você ainda aproveita a oportunidade para conhecer gente. A maioria dos hostels tem uma área de convivência, onde você pode interagir com pessoas de vários países.

7 – Não quer ou não pode gastar nada mesmo com hospedagem? Experimente o CouchSurfing. Essa é outra opção superinteressante de hospedagem. Nesse site se cadastram pessoas dispostas a oferecer seu sofá para viajantes que procuram hospedagem na sua cidade. E ainda há a incrível oportunidade de conviver com alguém local, que pode mostrar a cidade e dar dicas do que fazer por lá.

O site Warm Showers também é um excelente local para encontrar pessoas que possam abrigá-lo. Elas oferecem um banho quente e, caso não tenham um sofá disponível, podem oferecer o jardim da casa para você acampar.

8 – O transporte público será sempre uma das opções mais baratas de locomoção. Usar ônibus ou metrô é, com certeza, um jeito de gastar menos. Várias cidades têm um transporte coletivo bem organizado e fácil de usar. Em algumas, compensa inclusive comprar um cartão que vale para várias passagens para o preço ficar mais em conta.

9 – Peça carona, caminhe ou pedale sempre que possível. Se você quer mesmo economizar, esqueça o táxi ou aluguel de carro. Mas tome cuidado: em muitos países pedir carona na estrada é proibido, então você terá que pensar em maneiras alternativas de conseguir se locomover por quase nenhum custo. Existem vários sites oferecendo caronas pelo mundo. A maioria deles pede para que os participantes dividam os gastos.

10 – Ofereça-se para realizar trabalhos temporários. Essa ideia é clássica entre os mochileiros: viajar e ir trabalhando pelo caminho. Infelizmente, é muito difícil arrumar um trabalho remunerado por uma curta duração de tempo. Se você tem alguma habilidade artística, é mais fácil ser pago. Porém, na maioria das vezes, você é pago com moradia e comida, o que também não é um mal negócio em países caros.

11 – Leve tudo o que precisa, mas não tudo o que pode precisar. Excesso de precaução não é sinônimo de economia nesse caso. Fica mais barato fazer compras à medida que surgem necessidades, do que sair de casa imaginando tudo o que pode ser usado.

12 – Não coma em restaurantes. Seja adepto do mercado, da famosa “vendinha” e das padarias. Se você quiser algum dia se dar um pouco o luxo, procure um restaurante distante dos principais pontos turísticos, onde os nativos geralmente comem.

13 – Esqueça o pacote de dados do celular. Use Wi-Fi gratuito que vários lugares oferecem. Você também pode aproveitar para conversar com sua família e amigos via Skype, Facebook e outras redes sociais, sem precisar gastar dinheiro com ligações internacionais.

14 – Trabalhe em uma embarcação. Dessa maneira, você economiza em transporte, comida e acomodação. Sua viagem será 0800 mesmo! Existem sites em que donos de embarcações buscam tripulação para os serviços básicos do navio (camareiras, garçons, cozinheiros, etc.) Dependendo do tamanho da viagem, você é pago ou não por isso, mas em todos os casos são oferecidos comida e acomodação. Algumas vagas exigem inglês fluente, mas chegam a pagar em euros.

15 – Descubra as atrações gratuitas em cada local que visitar. Existe uma quantidade imensa de coisas boas e maravilhosas que o mundo oferece gratuitamente, como passear em parques, andar de bicicleta, caminhar, fazer trilhas, visitar praias, cachoeiras, rios, lagos e tantos outros lugares.

Então, mesmo com pouca grana, boa viagem!